Token ERC20: criando novas criptomoedas na rede Ethereum

Padrão técnico permite desenvolver novos criptoativos na blockchain responsável por criar a ether (ETH)

Por Paulo Carvalho  /  5 de junho de 2024
Imagem gerada por Inteligência Artificial Imagem gerada por Inteligência Artificial

A Ethereum é uma das cadeias blockchains mais famosas do cenário cripto. Além da ether (ETH), principal criptomoeda da rede, existem outros milhares de tokens na rede. A criação deles é possível por meio de contratos inteligentes que implementam um padrão técnico como o ERC20.

A ideia de criar um padrão de emissão de ativos foi de Fabian Vogelsteller. O desenvolvedor publicou o projeto inicial no GitHub com o título Ethereum Request for Comment (Solicitação de Comentário Ethereum em português).

As discussões começaram em 2015, mas o token só se consolidou na blockchain em 2017. Desde então, o ERC20 chama atenção tanto pela flexibilidade dos ativos que cria quanto pelas vantagens que oferece a rede Ethereum.

O que é um token ERC20?

ERC20 é um padrão técnico criado na rede Ethereum que possibilita desenvolver tokens para representar projetos no mercado cripto. Assim, pode incluir:

  • Ativos de valor;
  • Direito;
  • Propriedade;
  • Acesso;
  • Criptomoedas;
  • Bens;
  • Serviços;
  • Produtos.

A origem do nome está relacionada a sigla em inglês, ERC. O token é classificado como fungível, pois têm outras unidades idênticas e facilidade de ser trocado por outro ativo digital.

Exemplos de tokens ERC-20

Lançado através da Proposta de Melhoria Ethereum 20 (EIP-20), os tokens ERC-20 incluem a Wrapped Bitcoin (WBTC), altcoins, memecoins e stablecoins. Alguns exemplos são:

  • Tether USD (USDT);
  • USD Coin (USDC);
  • Shiba Inu (SHIB);
  • DAI Stablecoin (DAI);
  • HEX (HEX);
  • Bitfinex LEO (LEO);
  • Maker (MKR).

Assim, esses tokens são maioria na blockchain Ethereum e não a ether (eth), conhecida por ser o ativo principal.

Como funciona esse tipo de ativo digital?

O padrão técnico ERC20 estabelece critérios de elegibilidade de um projeto na rede Ethereum. Assim, os tokens podem ser criados apenas nesta blockchain, não existindo projetos com esse mesmo padrão em outras redes.

Os ativos devem cumprir como requisitos pontos relacionados a emissão, possibilidade de transferência entre endereços distintos e balanço total do ativo. Dessa forma, a criação depende das seguintes condições:

  • Fornecimento: conhecido como total supply, o criptoativo precisa ter um número total de emissões já estabelecido no contrato inteligente.
  • Balanço: define o balanço total do número de tokens mantidos em um único endereço.
  • Transferência: permite a transferência de ativos digitais entre diferentes endereços na blockchain.
  • Aprovação: deve ser possível utilizar tokens em outro endereço.
  • TransferFrom: estabelece critérios para o envio automatizado de criptoativos para endereços validados no contrato.
  • Subsídio: cria normas para um endereço pré-determinado receber tokens armazenados em outro local.

Além disso, também existem funções opcionais que possibilitam personalizar o nome, símbolo do projeto e o número de casas decimais.

Os benefícios dos tokens ERC20 para a blockchain

Existem mais de 350 mil projetos no padrão ERC20 na Ethereum, demonstrando a importância da blockchain para os tokens. Ao mesmo tempo, também há vantagens para a rede, beneficiada com:

  • Interoperabilidade: o padrão ERC20 permite a troca, negociação e integração desses tokens em diferentes iniciativas criadas na Ethereum.
  • Padronização: o ativo digital estabelece padrões que simplificam a integração e desenvolvimento de novos projetos.
  • Acessibilidade: o conceito permite a utilização de tokens em diferentes projetos na Ethereum, além de armazenamento em carteiras compatíveis com a blockchain.
  • Liquidez: os tokens ERC20 proporcionam mais liquidez para toda a rede, afinal, funcionam como ‘combustível’ para novos projetos, como exchanges descentralizadas (DEX).

Por outro lado, os tokens têm riscos de bugs ou outros problemas nos contratos que podem impactar no valor do ativo e prejudicar o portfólio do investidor.

Então, a tecnologia blockchain é a responsável por todo o processo de criação e segurança desses ativos digitais. O que acha de saber mais sobre o assunto? Entenda como essa tecnologia funciona.

Dúvidas frequentes sobre ERC20

ERC20 é um padrão técnico da rede Ethereum que permite criar tokens para representar projetos do mercado cripto.
As primeiras discussões sobre tokens ERC-20 começaram em 2015 pelo desenvolvedor Fabian Vogelsteller. Contudo, somente em 2017 o token se consolidou na blockchain.
A principal diferença entre o ERC20 e os tokens ERC571 diz respeito à finalidade de cada projeto. Enquanto os tokens ERC20 são considerados fungíveis, os ativos digitais classificados como ERC721 são não-fungíveis. Nesse padrão, se encaixam os tokens não-fungíveis (NFTs), por exemplo.